domingo, 12 de abril de 2009

Em busca do Coelhinho da Páscoa


Passei o feriadão da Semana Santa procurando o Coelhinho da Páscoa em Goiânia (GO).

Carregada a tiracolo por uma amiga e sua família, fiquei hospedada numa casa com mais seis mulheres e duas crianças. Se o Coelhinho estivesse lá, era em forma de calcinha, vestidos, maquiagem, sapatos e DVD's.

Logo no primeiro dia, caí das escadas ao sair de casa. Um amigo, meu terapeuta holístico online, resolveu me levar para curtir uma quinta-feira cultural no Teatro Martim Cererê. Quando o interfone tocou e fui sair, enrosquei um salto numa cadeira na área, escorreguei no tapete e capotei três degraus abaixo.

Caí logo no início da escada, o celular foi parar no portão e a carteira, no meio do caminho. Juntaram as mulheres e mais um casal que estava visitando a casa, me carregaram para o banheiro para lavar o ralado do cotovelo e fazer curativo. Só que esqueceram meu amigo lá fora, com outra pessoa, me esperando.

- Por que será que ela está demorando?

-Ah, sei lá. Ela é meio desastrada, pode ter acontecido algo...

Se o Coelhinho da Páscoa estivesse com meu amigo, ele estaria me esperando na área com a pata estendida para me derrubar. Coelho safado...

Joelhos roxos, no dia seguinte ficamos em casa assistindo filme de terror. O filme espanhol Rec dos diretores Paco Plaza e Jaume Balagueró. Uma a uma, as meninas foram abandonando a sala. Restaram eu e mais duas resistentes. Eu, com um travesseiro, só lia a legenda e me escondia no meio dele. Terminou o filme, elas foram dormir juntas. E eu tive que ler duas revistas Caras para esquecer as cenas violentas e tentar ignorar o Shaik, um enorme Rottweiler, que ronca alto, embaixo da janela. É, o Coelhinho não usa roupas de griffe e nem frequenta festas vips da Caras.

Sábado de Aleluia! Piscina, sol, protetor solar nos ralados, mais filminhos e uma festa Anos 80! As meninas, avessas a programas alternativos, foram para Sedna Lounge. A boite estava lotada e tiveram que voltar para casa.

Eu catei sapato de uma, vestido de outra e cintão e me diverti até às 3h. Quando me olhei no espelho, pensei que estava olhando para minha mãe na década de 80! A festinha estava ótima, conheci um Mike Jackson, uma Madonna e um Cazuza. Ao som de Barão Vermelho, Xuxa, A-Ha etc, com uma decoração do vídeo game Atari, me diverti pacas. Dava para perceber claramente quem era daquela época. Os que sabiam todas as letras e cantavam mais animados tinham 30. O que se metiam em rodinhas, tinham 20. Mas, o Coelhinho não fumava maconha, não jogava arcade e nem dançava passinho combinado.

Então chegou o domingo, fui à feirinha do Cerrado, comi uma tapioca com carne seca com meu terapeuta-holístico-online-secular e voltei para casa. Minha amiga foi assaltada a caminho da feira hippie e levaram o celular. É, o Coelhinho da Páscoa não frequenta feiras também. Mas, passou rapidamente pela casa, pois entupiu as crianças de chocolate.

Cansada de buscar o bichano de olhos vermelhos e pêlos branquinhos, voltamos para Brasília debaixo de um pé da água (chuva) e um baita congestionamento. Mal sabia eu que o Coelhinho estava o tempo todo me esperando em Brasília (DF). Ao chegar em casa, que alegria!

Minha mãe veio de Barreiras (BA) passar uma semana comigo! Obrigada, Coelhinho da Páscoa!!!Mas, cadê mesmo meu chocolate?

4 comentários:

André Hebert disse...

Coelhinho, o que trazes pra mim rs...

A maxima da pascoa... bem apesar do seu feriado ter sido assim, como iria dizer um tanto quanto diferente rs...
Mas o bom é pensar que é epoca de renascimento, de renovação, entao coma um chocolate nem que seja um biz e bola pra frente rs...
Feliz Pascoa!!!

Daianne e Marco disse...

Adorei o texto.. e meu Deus! Achei alguem tao desastrada quanto eu...
e olha que eu sou terrivel...
bjinhos...

Anônimo disse...

Hey, I am checking this blog using the phone and this appears to be kind of odd. Thought you'd wish to know. This is a great write-up nevertheless, did not mess that up.

- David

Criska disse...

David,
Do not try to translate, are metaphors.