sábado, 4 de abril de 2009

Um grande beijo

O Beijo, do escultor Auguste Rodin

Quando eu era criança, tentava imaginar como seria o beijo. Entender porque adultos colavam os lábios e trocavam saliva. Até então, achava isso nojento.

O beijo de língua era uma incógnita. O mesmo que imaginar a primeira transa, um parto ou a morte. Uma curiosidade que tentava sanar na literatura, em capítulos científicos e em revistas pré-adolescentes. E mesmo com todas as informações, não havia nada mais substancioso além da poesia que pudesse descrever a sensação de ser beijada.



"Posso escrever os versos mais tristes esta noite.
Eu amei-a e por vezes ela também me amou.
Em noites como esta tive-a em meus braços.
Beijei-a tantas vezes sob o céu infinito"

Pablo Neruda, poeta chileno


No beijo dos esquimós, no Ártico, esfrega-se o nariz. Em Bali, na Indonésia, sente-se o cheiro da pele. Mas, para nós, latinos-americanos, um beijo é o grande encontro das bocas em demonstração de afeto.

Um selinho, por exemplo, é intimidade e respeito. Um beijo amoroso é carinho e proteção. Um beijo sexual é ansioso pelo ato. Mas, nada se compara a um beijo de saudades.


O beijo, do pintor Gustav Klint

Ah, como é bom ser beijada com saudades... Um beijo saudoso é magnífico! São lábios macios e molhados cobrindo um ao outro num grande abraço. Um beijo ansioso e contido, cheio de afeto e paixão, se fundindo em sabor e calor. O corpo todo concentrado nesse momento; mesmo de mãos dadas e rostos colados, é na boca que há o verdadeiro encontro.

Com ele vem o cheiro da saudade. Um suor frio junto com o perfume predileto e hálito de desejo. Quem nunca se excitou com o hálito perfumado de outrém?

O olhar da saudade é brilhante e intenso, um revival de sentimentos guardados. Então o beijo é indubitavelmente melhor porque vem carregado de sensaçoes extra-sensoriais. Enquanto beijamos, os sentidos se aguçam. Tocamos a pele e cabelos para ver se continuam macios, apreciamos os detalhes do rosto para ver se ali há indícios de maturidade, sentimos as mãos numa busca de indícios de sofrimento e beijamos toda a face demonstrando o afeto guardado.

Nem na despedia, o beijo é tão caloroso quanto no reencontro.

4 comentários:

Carol, Ênio e Leila disse...

Um bom beijo cura a alma. Estou adorando conhecer um pouco da sua cabecinha torta. rs O seu blog e muito bom, so falta uma coisa: o meu link na barra dos preferidos. rs

Beijo cheio de saudades (na bochecha),
Carol

André disse...

Beijo... é bom desde do primeiro aquele que a gente nunca esquece... o meu foi em uma brincadeira a muito tempo atraz... tem beijo roubado, o beijo esperado, o beijo que nao era pra ser beijo, o beijo de despedida, são tantos, e gosto de todos, beijar é bom, beijo relaxa, previne as caries, te deixa mais jovem, faz be pra pele, enfim é bom pacas entao beije de novo...

Ferreira Neto disse...

Bem, então o melhor beijo só acontece depois de outros beijos...

MGHORTA disse...

Já vi que você aprendeu a beijar.(^_^)

Beijo é beijo, o resto é paisagem.

Gostei de seu espaço.

Um beijo amigo. :))